NOTA DO SINDICATO DOS ASSISTENTES SOCIAIS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SOBRE A PROPOSTA DE REFORMA ADMINISTRATIVA

16/09/2020

Considerações do Saserj acerca da proposta de reforma administrativa enviada ao Congresso Nacional pelo governo de Jair Bolsonaro

O Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro – Saserj se manifesta terminantemente contrário à proposta de reforma administrativa enviada recentemente ao Congresso Nacional (PEC 32/2020) por parte do governo do então presidente da República Jair Bolsonaro e busca trazer para a categoria dos (as) assistentes sociais algumas considerações importantes sobre o funcionamento do serviço público brasileiro e os ataques que este vêm sofrendo.

Não é de hoje que forças do mercado buscam abocanhar fatias do Estado brasileiro para dar prosseguimento à dinâmica do lucro em detrimento dos serviços públicos prestados para a população. Já no ano de 1989, Fernando Collor de Mello seria eleito com um programa de governo baseado no assalto ao patrimônio público e na implementação do Estado Mínimo, política ultraliberal onde a retórica do ‘enxugamento da máquina pública para dar mais eficiência’ esconde o real objetivo de substituir os bens e serviços públicos por serviços duplamente pagos pela população.

Àquela época, Collor daria início a uma das maiores perseguições contra o funcionalismo quando, ao longo de seus dois anos de governo, cerca de 110 mil servidores seriam exonerados arbitrariamente e inconstitucionalmente. Décadas levariam até que parte destes trabalhadores fossem reintegrados aos seus postos de trabalho, não sem antes ocorrerem as claras tentativas do governo de Fernando Henrique Cardoso para paralisar a anistia dada pelo Judiciário a estes profissionais. Muitos, até hoje, não conseguiram reaver seus direitos e os prejuízos causados às famílias são incalculáveis.

Já no governo de Michel Temer, as ameaças aos servidores voltou a assombrar depois da aprovação da reforma trabalhista, que retirou mais direitos dos empregados na iniciativa privada e deu início às discussões sobre a possibilidade de demissões imotivadas dentro da administração pública.

Diante deste quadro de ataques aos servidores, a eleição de Jair Bolsonaro abriu caminho para a total precarização do funcionalismo federal, estadual e municipal. Um governo autoritário e ultraconservador de um lado e entreguista e neoliberal do outro é a receita perfeita para se abrir caminho para as privatizações e terceirizações desenfreadas sendo que, o último obstáculo para a sanha privatista, é o servidor concursado e estável. Daí a ‘necessidade’ de se retirar direitos do funcionalismo e deixar aberta a porta para a completa indicação política de cargos, onde trabalhadores sem estabilidade e sujeitos aos humores da chefia imediata, não teriam outra alternativa senão obedecer cegamento às ordens dadas ‘de cima’.

O Saserj entende também que, dentro da categoria dos assistentes sociais no serviço público, a reforma administrativa, se aprovada, afetará também os trabalhadores da ativa, seja nas avaliações de desempenho irreais e tendenciosas, seja na perda financeira agressiva, com o fim das progressões na carreira, gratificações incorporadas ou a própria perseguição política dentro da administração.

Exemplos negativos não faltam para ilustrar o quão nociva é a penetração da iniciativa privada no Estado e na prestação de serviços para a população. Há anos que denunciamos e atuamos na defesa dos trabalhadores e trabalhadoras que exercem sua funções dentro das famigeradas ‘organizações sociais’, verdadeiros biombos na gestão de hospitais públicos e palco de inúmeras denúncias e condenações por desvios, incompetência administrativa e corrupção, sem falar no desrespeito aos direitos trabalhistas destes funcionários que, repetidas vezes, ficam sem remunerações, são demitidos injustamente, vivem condições indignas de trabalho e sofrem perdas salariais.

Nós, do Saserj, entendemos também que a reforma administrativa proposta pelo governo quer não apenas destruir o que resta de público no Estado, mas também dar lugar para as terceirizações irrestritas, onde os cargos ocupados não farão mais parte de carreiras de estado e sim de governos de ocasião.

O servidor hoje enfrenta inimigos poderosos que estão mais unidos do que nunca na empreitada final contra a população mais vulnerável, população que precisa dos serviços públicos de qualidade e livres de interferências políticas. Contra ele também está a imprensa corporativa. Nela, os interesses do grande capital estampam as capas de jornais e os horários nobres da TV, onde a pedra base do jornalismo - que é ouvir o outro lado - não é seguida. Estudos econômicos fraudulentos e equivocados são usados para corroborar uma narrativa imposta à população que colocam nas costas do servidor público todos os problemas causados não por eles, mas pelas políticas neoliberais destrutivas que, semelhantes a uma nuvem de gafanhotos, surgem no horizonte, saqueiam tudo o que veem pela frente e vão embora de barriga cheia, deixando para trás um rastro de destruição e desolação.

A reforma administrativa também traz consigo uma mentira sem igual ao sugestionar que o gasto público com os servidores impede que outros investimentos estatais sejam efetuados. Na verdade, o próprio custeio de professores, policiais, médicos, assistentes sociais, bombeiros, pesquisadores e tantos outros é o próprio investimento e, sem eles, a desassistência pública poderá se tornar irremediável. Tetos de Gastos, renúncias fiscais, políticas econômicas contracionistas e prioridade máxima no pagamento de juros da dívida são os reais culpados pela falta de recursos públicos. Vale lembrar que o setor público é o maior empregador da categoria dos (as) assistentes sociais.

Outra mentira contada pela equipe econômica de Paulo Guedes é a de que a reforma seria ampla quando, efetivamente, ela só valeria para membros dos Executivos, deixando de fora militares, Judiciário e parlamentares, justamente setores onde os gastos são excessivamente altos. Neste tocante, entendemos também que a reforma não deve valer para nenhum poder em específico, exceto no sentido de impedir que supersalários e ‘penduricalhos’na Justiça e parlamento continuem a ser praticados.

Contrariando as investidas destes empresários, travestidos de políticos, que querem a qualquer custo avançar sobre o último bastião de resistência democrática institucional no Brasil, um importante estudo do Departamento Intersinsical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos – Dieese vem para desmascarar toda a farsa traduzida na reforma administrativa e pode ser acessado aqui.

SASERJ NA LUTA!




Veja também

LIVE 'SERVIÇO SOCIAL E RELAÇÕES RACIAIS E OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS ANTIRRACISTAS'

LIVE 'SERVIÇO SOCIAL E RELAÇÕES RACIAIS E OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE POLÍTICAS ANTIRRACISTAS'

13/11/2020 - Nesta sexta-feira (13), a partir das 19 horas, o Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro – Saserj realiza o primeiro ciclo de debate...

A IMPORTÂNCIA DO PAPEL DA MULHER NA ATUAL CONJUNTURA POLÍTICA

A IMPORTÂNCIA DO PAPEL DA MULHER NA ATUAL CONJUNTURA POLÍTICA

09/11/2020 - Amanhã, 10 de novembro, a partir das 20h, a Associação Bahiana de Profissionais de Serviço Social realiza uma live com assisten...

SASERJ PRESENTE EM ATO DOS (AS) TRABALHADORES (AS) NO HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO

SASERJ PRESENTE EM ATO DOS (AS) TRABALHADORES (AS) NO HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO

03/11/2020 - O Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro - Saserj está presente neste momento em ato na porta do Hospital Federal de Bonsucesso co...

SASERJ REALIZA TERÇA-FEIRA QUE VEM O SEU ÚLTIMO DEBATE AO VIVO COM CANDIDATAS E CANDIDATOS ASSISTENTES SOCIAIS ÀS CÂMARAS DE VEREADORES NOS MUNICÍPIOS DO RJ

SASERJ REALIZA TERÇA-FEIRA QUE VEM O SEU ÚLTIMO DEBATE AO VIVO COM CANDIDATAS E CANDIDATOS ASSISTENTES SOCIAIS ÀS CÂMARAS DE VEREADORES NOS MUNICÍPIOS DO RJ

17/10/2020 - O Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro promove durante o mês de outubro, sempre às 19h, uma série de debates ao viv...