NÃO AO DESMONTE DO CEAS E DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO RIO

03/10/2021

Sistemático desmonte das políticas de assistência social e dos ataques ao Conselho Estadual de Assistência Social do RJ causam preocupação

A interferência irregular da Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos nos assuntos internos do Conselho Estadual de Assistência Social está agravando o desmonte das políticas de assistência social no estado e prejudicando a atuação do controle social.

Em declaração à comunicação do Saserj, Caroline de Mendonça, diretora do Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro – Saserj e atual presidente do CEAS, contou que assumiu o cargo de presidente do CEAS sempre buscando dialogar com os diferentes secretários que passaram pela pasta, cujo objetivo sempre foi o de melhorar as condições do Conselho. Segundo ela, foi possível montar, com muita luta, uma equipe com três pessoas, sendo uma secretária executiva e duas assessoras, uma com formação em serviço social e outra em direito.

Mesmo com um número insuficiente de trabalhadores no órgão para atender a uma demanda de 92 municípios, os trabalhos no CEAS prosseguiam até que, intempestivamente, o atual secretário Matheus Quintal atuou de maneira a alterar o quadro de funcionários do referido conselho ao exonerar, sem comunicação prévia aos conselheiros e conselheiras, uma funcionária que desempenhava importante assessoria junto ao conselho. Na última terça-feira, diante de uma assembleia pública e gravada, Quintal ameaçou a demitir esta funcionária, uma vez que os conselheiros se queixavam da falta de advogado para auxiliar nas atividades desenvolvidas pelo colegiado. Ato contínuo, a presidência abriu um processo onde deixou claro que não cabe à SDSDH nomear, contratar ou substituir nenhum servidor do CEAS, sem a anuência deste. De nada adiantou e o ato arbitrário foi consumado.

Como se não bastasse o autoritarismo da SDSDH sobre o CEAS, Caroline Mendonça lembrou que as instalações físicas do órgão encontram-se em péssimas condições, sem equipamentos eletrônicos para uso dos conselheiros, ausência de disponibilização de moden de internet com tecnologia adequada para que o conselheiros do CEAS do segmento da sociedade civil possam exercer suas atribuições, quadro de pessoal da secretaria executiva reduzido, aparelhos de ar-condicionado quebrados (a sala conta apenas com um ventilador), além do mobiliário inservível, dentre outras precariedades.

 




Veja também

CONFERÊNCIA LIVRE, DEMOCRÁTICA E POPULAR DE SAÚDE COMEÇA AMANHÃ

CONFERÊNCIA LIVRE, DEMOCRÁTICA E POPULAR DE SAÚDE COMEÇA AMANHÃ

04/08/2022 - Nesta sexta, 5 de agosto, com transmissão ao vivo, centenas de profissionais, pesquisadores e gestores da saúde e usuários e usuária...

SASERJ MARCA PRESENÇA EM ATO DO FUNCIONALISMO MUNICIPAL DO RIO

SASERJ MARCA PRESENÇA EM ATO DO FUNCIONALISMO MUNICIPAL DO RIO

02/08/2022 - O Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro, representado pelo diretor e ex-presidente Edmilson soares Reis, esteve presente no ato do ...

SASERJ PARTICIPOU DE MARCHA DAS MULHERES NEGRAS, EM COPACABANA

SASERJ PARTICIPOU DE MARCHA DAS MULHERES NEGRAS, EM COPACABANA

01/08/2022 - O Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro - Saserj participou na VIII Marcha Das Mulheres Negras, na Praia de Copacabana/RJ, neste domingo...

NOVO ATO DO FUNCIONALISMO MUNICIPAL

NOVO ATO DO FUNCIONALISMO MUNICIPAL

01/08/2022 - O Sindicato dos Assistentes Sociais do Estado do Rio de Janeiro - Saserj convoca os (as) assistentes sociais para participarem de mais um ato do funcionalismo m...